BACTERIEMIA POR AGENTE PATOGÉNICO EMERGENTE EM INDIVÍDUO IMUNOSSUPRIMIDO – RELATO DE CASO CLÍNICO

Evento: XI Congresso Nacional de Patologia Clínica 

Poster Número: 011

Autores e Afiliações:

Paulo Dias Silva-1, Jonatas Garcez-2, Hugo Cruz-2, Maria Helena Ramos-2.

1 – Departamento de Diagnóstico Laboratorial, Instituto Português de Oncologia do Porto

2 – Serviço de Microbiologia, Departamento de Patologia, Centro Hospitalar Universitário do Porto, EPE

Introdução

O número de indivíduos imunossuprimidos tem aumentado consideravelmente devido a várias causas, incluindo a transplantação de órgãos sólidos. Ochrobactrum anthropi (O. anthropi) é um bacilo Gram negativo aeróbio, não fermentador da lactose, oxidase positiva, com distribuição ubiquitária e baixa virulência, que pode ser encontrado como colonizante transitório do trato gastrointestinal humano, bem como de áreas húmidas do ambiente hospitalar. Além disso, trata-se de um agente patogénico emergente em indivíduos imunossuprimidos, sendo que a bacteriemia associada a dispositivos intravasculares é o tipo de infeção mais comum.

Caso Clínico

Doente do sexo masculino com 64 anos de idade e antecedentes de transplantação hepática sob terapêutica imunossupressora com micofenolato de mofetil e tacrolímus, bem como de episódios de colangite recidivante em contexto de estenose da via biliar e litíase biliar iatrogénicas, recorreu ao médico assistente por febre, anorexia, perda ponderal não intencional e prurido generalizado, tendo sido internado com o diagnóstico de colangite isquémica sob terapêutica antimicrobiana empírica com piperacilina/tazobactam e com indicação para re-transplantação hepática. Ao 22.º dia de internamento, após completar o ciclo de terapêutica antimicrobiana, reapresentou febre, razão pela qual efetuou a colheita de sangue para estudo bacteriológico e iniciou terapêutica antimicrobiana empírica com meropenem. Após cerca de 24 horas de incubação no sistema BACTECTM FX (BD), os dois frascos de hemocultura foram sinalizados como positivos e o exame microscópico dos esfregaços corados pela técnica de Gram revelou a presença de bacilos Gram negativo. O painel de identificação molecular ePlex® (GenMark), efetuado a partir de um dos frascos de hemocultura positivos, foi negativo. Após 24 horas de incubação a 37°C, em capnofilia, a subcultura em gelose de chocolate mostrou uma flora moderada de colónias pequenas a médias, circulares, convexas, ligeiramente mucoides, oxidase positiva, as quais foram identificadas por espectrometria de massa através do sistema VITEK® MS (bioMérieux) e por painel de identificação bioquímica no sistema VITEK® 2 (bioMérieux) como O. anthropi. O estudo de suscetibilidade aos antimicrobianos por microdiluição através do sistema MicroScan WalkAway® (Beckman Coulter) mostrou que a estirpe era sensível ao imipenem, meropenem, gentamicina e ciprofloxacina, e resistente à piperacilina/tazobactam e ceftazidima. Ao 36.º dia de internamento, após apresentar critérios de cura clínica e microbiológica, decidiu-se prosseguir com o plano de re-transplantação hepática, porém o doente acabou por falecer em choque hemorrágico pós-operatório.

Conclusões

Os autores presumem que a bacteriemia por O. anthropi surgiu por translocação da flora gastrointestinal em virtude de uma possível disrupção mucosa causada pela dupla terapêutica imunossupressora ou por contaminação de um dos dispositivos intravasculares colocados no internamento. Além disso, na medida em que O. anthropi é geralmente resistente à maioria dos β-lactâmicos, o facto de o doente ter estado sob terapêutica antimicrobiana com piperacilina/tazobactam pode ter facilitado a sua disseminação. As infeções causadas por microrganismos pouco comuns, tais como O. anthropi, têm-se tornado responsáveis por uma morbimortalidade significativa nestes subgrupos de doentes, razão pela qual é fundamental o cumprimento escrupuloso das normas de controlo de infeção.

Declaração de conflito de interesses: Os autores declaram não existir conflitos de interesse.