spin

Bem vindo à SPPC 2022

Mensagem da Presidente da SPPC

 

Bem-vindos ao SPPC 2022.

Após o êxito do SPPC 2021, era impensável que a Sociedade Portuguesa de Patologia Clínica não desse continuidade ao projeto que surgiu das circunstâncias de afastamento impostas pela pandemia, permitindo assim ser o motor da formação contínua em Medicina Laboratorial.

Tendo o XIº Congresso da SPPC terminado com o sucesso que todos reconhecemos, estamos de novo juntos para vos apresentar o 2º Ciclo Anual de Formação On-line (SPPC 2022).

Vamos ter 10 Webinares que decorrem desde 21 de Abril de 2022, até 7 de Dezembro de 2022.

Vamos poder contar com o apoio das casas comerciais assim como das Sociedades Científicas Parceiras (UEMS, WASPaLM)

Muito obrigado pela vossa presença e apoio.

 

Saudações Patologistas.

Maria José Rego de Sousa

Presidente da SPPC

Inscreva-se

Comissão Organizadora e Científica

OS  NOSSOS SPEAKERS E MODERADORES

Webinars – Programa

  • Monkeypox: onde estamos?
    Monkeypox: onde estamos?
    17:30 - 19:00
    As infeções emergentes ou re-emergentes (novas infeções ou antigas mas que estão a aumentar) constituem uma matéria que preocupa os profissionais de saúde e os cientistas  desde há muito tempo. Recentemente, por força do tremendo impacto que a COVID-19 tem tido em todo o mundo, essa preocupação estendeu-se igualmente às populações, que legitimamente desejam uma informação correta, atualizada e perceptível, sobre  eventuais ameaças que possam surgir neste domínio. Neste sentido, a Sociedade Portuguesa de Patologia Clínica organiza, em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Virologia, um webinar sobre um tema atualmente em foco, Monkeypox (varíola dos macacos). Neste webinar serão apresentados   os novos dados relativamente a esta matéria por dois especialistas, um infeciologista, Prof. Doutor Vitor Duque (CHUC - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra) e uma investigadora, Dra. Rita Cordeiro (Instituto Nacional de Saúde Dr Ricardo Jorge). A moderação ficará a cargo de um virologista, Prof. Doutor Paulo Paixão (Nova Medical School). No final, haverá espaço para que os especialistas convidados possam responder às questões levantadas pela audiência.
    • Moderador: Prof. Paulo Paixão - UN Lisboa

    speaker Prof. Dr. Vitor Duque (U. Coimbra) | Dra. Rita Cordeiro (INSA)

  • Da tecnología à clínica, o Patologista Clínico faz a diferença
    Da tecnología à clínica, o Patologista Clínico faz a diferença
    17:30 - 19:00

    Apresentação e discussão de casos clínicos, com interatividade de todos os participantes.

    Este Webinar, baseado na apresentação de casos clínicos reais, tem como  objectivo a discussão e valorização das condicionantes técnicas, fisiopatológicas e/ou farmacológicas a considerar durante o processo de validação médica de relatórios analíticos, nomeadamente perante situações em que surjam valores aparentemente contraditórios ou inverosímeis.
    Para cada caso apresentado, será feito o devido enquadramento clínico e indicados os valores obtidos nos testes em estudo. Pretende-se uma discussão interactiva com os diferentes participantes, através da realização de breves questionários online para resposta imediata. No final de todos os casos apresentados será aberto o debate. 
     -
    Moderadores: Dr. Nuno Gonçalves - IPO-Porto | Sandra Paulo - ULS Castelo Branco

    speaker Dra. Ana Torgal | Dr. João Pedro Barreto | Dr. José Duarte Pereira - IPO - Porto

  • Complexo HLA – O papel da tipagem molecular no diagnóstico de Doenças Autoimunes
    Complexo HLA – O papel da tipagem molecular no diagnóstico de Doenças Autoimunes
    17:30 - 19:00

    Organização

     

    Role of the Human Leukocyte Antigen (HLA) proteins and their genetic variability in the susceptibility, pathophysiology and immunotherapy of immune-mediated diseases

    Summary: The proteins encoded within the Mayor Histocompatibility Complex (MHC) are expressed in a wide range of cells across the human body, taking their name as Human Leukocyte Antigens (HLA) from the cells from which they were first described. Their function of presenting self and non-self-derived peptides is of key importance in most of the known immune-mediated diseases and hypersensitivity reactions. Furthermore, certain HLA proteins have also been involved in the response to various immunotherapeutic drug use in certain pathologies such as those treated with anti-TNF monoclonal antibodies. The knowledge provided by the mechanisms of which HLA proteins are involved in the pathophysiology, the methodologies that Immunologists employ typing patients to ascertain the degree of susceptibility, risk of progression as well as the response to immunotherapy, brings up HLA once more time at the top of the most studied proteins and thus their counterpart region within the chromosome 6 in the human genome. In this topic, we will discuss the main HLA and associated immune-mediated diseases, the role of HLA in the pathophysiology of the disease, the methodologies applied for HLA tissue typing, and the latest and most relevant immunotherapy approved to treat these diseases.
    • Moderadores: Dra. Ana Reis (Palex) | Dra. Carolina Bourgard (Palex) 

    speaker Prof. Francisco Boix-Giner (Centro de Transfusión de la Comunidad Valenciana, Valencia | Medicine School, Polytechnic University of Valencia)

  • proBNP, quando, como e porquê?
    proBNP, quando, como e porquê?
    17:30 - 19:00

         Organização

     
    • Moderadores: Dr. João Mariano Pego (CHUC)
     

    speaker Prof. Dra. Joana Pimenta - Medicina Interna | CHVNGaia/Espinho

  • The role of next generation rapid-AST technologies in the modern response to sepsis
    The role of next generation rapid-AST technologies in the modern response to sepsis
    17:30 - 19:00

        Organização

    The role of next generation rapid-AST technologies in the modern response to sepsis / O papel das tecnologias de TSA rápido de nova geração na resposta moderna à sepsis


    Sepsis response – Speed, Resistances and Susceptibility testing
      • Speed in sepsis response
      • Escalation-deescalation strategies
      • The importance of AST
      • What changes when AST is available in a few hours?
    Rapid Microbiology – the arrival of next generation susceptibility testing
      • AST technology evolution and difficulties
      • Recent rapid-AST technologies
      • What implications when AST is available in a few hours?

    • Moderadores: Prof. Dra. Cidália Pina Vaz | Dr. Luís Nogueira Martins 

    speaker Prof. Dr. Rafael Cantón (Hosp. Ramón Y Cajal - Madrid) |

Revista Medicina Laboratorial

Regras para publicações na revista

  • A “Revista Medicina Laboratorial, Revista da Sociedade Portuguesa de Patologia Clínica”  (REVSPPC) é uma publicação científica, revista por pares, abrangendo temáticas relativas à Patologia Clínica. São publicados artigos editoriais (por convite a autor), artigos originais, artigos de revisão, casos clínicos, cartas ao editor e artigos que visam melhorar a Prática Clínica (recomendações e protocolos, por exemplo).

  • A REVSPPC terá a sua primeira edição em 2021 e é da responsabilidade da Sociedade Portuguesa de Patologia Clínica (SPPC) e subscreve os requisitos para apresentação de artigos a revistas biomédicas elaboradas pela Comissão Internacional de Editores de Revistas Médicas (International Committee of Medical Journal Editors), publicada originalmente e na íntegra inicialmente em N Engl J Med 1991; 324: 424-28.

  • A política editorial da REVSPPC segue as Recomendações de Política Editorial (Editorial Policy Statements) emitidas pelo Conselho de Editores Científicos (Council of Science Editors), disponíveis em https://www.councilscienceeditors.org/resource-library/editorial-policies/white-paper-on-publication-ethics/

  • A REVSPPC publica preferencialmente artigos escritos na língua portuguesa e inglesa. Caso os autores optem por submeter conteúdos noutras línguas, poderá ser solicitada a sua tradução para a língua inglesa. O rigor e a exactidão dos conteúdos, assim como as opiniões expressas, são da exclusiva responsabilidade do(s) autor(es).

  • Os artigos submetidos devem ser originais e não podem ter sido publicados previamente.

  • Os artigos publicados constituirão propriedade da revista, não podendo ser reproduzidos, no seu todo ou em parte, sem a prévia autorização dos editores.

A REVSPPC segue os critérios de autoria recomendados pela ICMJE (disponíveis em http://www.icmje.org/icmje-recommendations.pdf), os quais se baseiam nos 4 critérios seguintes:

  1. Ter tido uma contribuição substancial no planeamento e concepção do trabalho, na colheita de dados, análise e interpretação dos resultados;

  2. Ter participado na redação do manuscrito ou na revisão crítica de conteúdo intelectualmente relevante;

  3. Ter aprovado a versão final a publicar;

  4. Assumir responsabilidade pelo trabalho e assegurar que todas as questões relacionadas com a sua integridade e rigor foram devidamente investigadas e resolvidas.

Estes 4 critérios deverão abranger todos os elementos que forem designados autores, e todos aqueles que abranjam estes 4 critérios, deverão ser designados autores. Todos os elementos que tenham, de algum modo, contribuído para o manuscrito mas que não preencham os 4 critérios de autoria, deverão vir referidos na secção dos agradecimentos.

A REVSPPC oferece aos autores um sistema de submissão e revisão de artigos a funcionar exclusivamente online. Acedendo ao website oficial da SPPC 2021 (www.saudevirtual.pt/patologiaclinica/), os autores poderão submeter os seus artigos seguindo as instruções fornecidas. Os autores serão notificados por email sempre que o(s) seu(s) artigo(s) sofra(m) alterações relevantes durante o processo editorial.

 

Instruções aos autores

  • Para evitar atrasos no processo de revisão, leia cuidadosamente as instruções e assegure-se de que o seu manuscrito está de acordo com os requisitos da REVSPPC antes de submeter (número de palavras e formato).

  • Título do artigo: o título deve descrever brevemente o conteúdo do artigo. Não devem ser usadas abreviaturas. Deve ser indicado um curto título para rodapé.

  • Nome dos autores e afiliações

  • Informações do autor responsável pela correspondência: nome, morada, telefone e endereço electrónico

  • Resumo: com um máximo de 350 palavras ,deve incluir objectivos, material e métodos, resultados e conclusões. Para os casos clínicos o limite de palavras é 180.

 

Tipos de artigo:

  • Editoriais: Os Editoriais serão solicitados por convite do Editor e constituirão comentários sobre tópicos actuais ou sobre artigos publicados na revista.

Artigos de Revisão:

  • Os Artigos de Revisão não deverão exceder as 4000 palavras, 6 Tabelas ou Figuras e 100 referências

Artigos Originais:

  • O texto dos Artigos Originais deve ser apresentado com uma Introdução, Material e Métodos, Resultados, Discussão e Conclusão. Não deverá exceder as 4000 palavras, 6 Tabelas ou Figuras e 60 referências.

Prática Clínica:

  • O texto dos artigos de Prática Clínica deve ser apresentado com uma Introdução, Material e Métodos, Resultados, Discussão e Conclusão. Não deverá exceder as 4000 palavras, 6 Tabelas ou Figuras e 60 referências.

Casos Clínico:

  • O texto dos Casos Clínicos deverá ser apresentado com uma Introdução, Caso Clínico e Discussão, acompanhado de figuras ilustrativas/tabelas (máximo de 6). Não deverá exceder as 2000 palavras e 25 referências.

Cartas ao Editor:

  • As Cartas ao Editor deverão constituir um comentário critico a um artigo da Revista ou uma pequena nota sobre um tema ou caso clinico. O texto não deverá exceder as 600 palavras, uma Figura/Tabela e um máximo de 10 referências.

 

Tabelas e Figuras:

  •  As Tabelas a inserir devem ser assinaladas no texto em numeração romana. Cada Tabela deverá possuir um título e não deverá apresentar linhas verticais. As linhas horizontais só deverão ser usadas como separadores de título e subtítulos. Todas as abreviaturas usadas devem ser explicadas na parte inferior da Tabela. As Figuras a inserir devem ser assinaladas no texto em numeração árabe e apresentar legendas. Cada Figura deve ser enviada em formato JPEG ou TIF de alta qualidade. O Editor reserva o direito de agrupar Figuras ou alterar o seu tamanho de modo a rentabilizar o uso da página.

 

Referências:

  • As referências bibliográficas devem ser submetidas com formatação Vancouver e seguir as recomendações do International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE) (https://www.nlm.nih.gov/bsd/uniform_requirements.html), numeradas por ordem de entrada no texto e em superscript. As abreviaturas usadas na nomeação das revistas devem ser as utilizadas pelo Index Medicus. Nas Referências com 6 ou menos autores, todos devem ser nomeados. Nas Referências com 7 ou mais autores, devem ser nomeados os 6 primeiros seguidos de et al. As Referências correspondentes a trabalhos não publicados, apresentações ou observações pessoais, devem ser inseridas no próprio texto (em parenthesis) e não como referências convencionais. Os autores são responsáveis pela exactidão das Referências apresentadas. Seguem-se alguns exemplos de vários tipos de referências:

Revista:

  • Nome(s) e iniciais do(s) autor(es). Título do artigo. Nome da Revista Ano; Volume: Página (s).

Artigo publicado online (inserir DOI):

  • Nome(s) e iniciais do(s) autor(es). Título do artigo. Nome da Revista Published Online First: data. doi.

Capítulo de livro:

  • Nome(s) e iniciais do(s) autor(es) do capítulo. Título do capítulo. In: Nome(s) e iniciais do(s) editor(es) medico(s). Título do livro. Cidade: Nome da casa editorial, ano de publicação: primeira a última página do capítulo

Livro:

  • Nome(s) e iniciais do(s) autor(es). Título do livro. Cidade: Nome da casa editorial, ano de publicação: página(s).

Documento electrónico:

  • Título do documento. http://address. Data de acesso.

 

Agradecimentos:

  • Incluir nesta secção agradecimentos a pessoas que tenham contribuído para o trabalho mas sem autoria. Instituições ou fontes de apoio financeiro também poderão aqui ser indicadas.

Os artigos submetidos são enviados a revisores especializados no tema do artigo. Concluída a revisão do artigo, os autores são notificados, recebendo os pareceres e comentários dos revisores acerca do estado do mesmo. Com base nesses pareceres, os autores deverão editar o artigo, corrigi-lo e resubmetê-lo para nova revisão.

Critérios de Revisão

  • Os critérios de aceitação de um artigo para publicação têm em consideração a qualidade e originalidade do artigo apresentado, a excelência na redacção e organização do mesmo e o potencial impacto na literatura médica.

  • Todos os artigos aceites para publicação serão publicados na Revista em formato digital e, em caso de impressão de Revista, na Revista em formato impresso.

Revisão de provas

  • Os autores dos artigos aceites para publicação poderão receber uma versão digital da prova do artigo para validação. Caso recebam, as provas devem ser revistas durante as 24h que sucedem a sua recepção. Os autores são responsáveis pela cuidada revisão do texto, Figuras, Tabelas, Legendas e Referências, e deverão contactar os Editores no caso em que sejam necessárias alterações. Apenas pequenas alterações e correcções tipográficas são permitidas nesta fase.

Direitos de Autor

  • Após aceitação para publicação, os autores transferem para a REVSPPC os direitos de autor do manuscrito.

Formulário para submissão de trabalhos na

Revista Medicina Laboratorial